Posts Tagged 'mapa'

google maps e os transportes em lisboa

Segundo Ivo Gomes, o Google Maps introduziu recentemente informações sobre como chegar a determinado local em Lisboa usando os transportes públicos, nomeadamente no percurso dos autocarros entre as várias paragens. Segundo este, “o serviço do Google continua a ser infinitamente melhor do que o fornecido pelo site oficial dos transportes de Lisboa”, o Transporlis. (em ivogomes.com). Fiz então uma pesquisa mas a única coisa que consegui visualizar foram os percursos do metro de Lisboa. Alguém me sabe dizer como pesquisar os percusos dos autocarros?

Apesar deste passo que ainda não conheço, parece-me que o “Itinerarium” continua a funcionar bem melhor!

“travel time tube map”

travel-time-tube-map-1

travel-time-tube-map

Ao selecionarmos no topo do site uma estação do Metro de Londres de partida, visualizamos um mapa que se reorganiza em função dos tempos de viagem a partir dessa estação. Os círculos concêntricos que estão desenhados sob o mapa produzido servem também de orientação sendo igualmente proporcionais ao tempo de viagem. Cada círculo corresponde a intervalos de 10 minutos de viagem. Mais em http://www.tom-carden.co.uk/p5/tube_map_travel_times/applet/.

mapa não-geográfico

nongeographic-mapping5

nongeographic-mapping23

Este mapa experimental foi produzido pelo Arquivo de Redes Internacionais da Universidade de Princeton, uma organização dedicada para encontrar uma nova forma de mapear o mundo.  O INA acredita que a geografia está cada vez mais a tornar-se irrelevante e que deve existir um novo sistema de mapeamento, baseadas em transacções globais em vez de geografia. 

Este mapa, produzido por Jonathan Harris com a ajuda de Elizabeth Kaijuka, mostra a relação de distância entre diferentes pontos do mundo, não pela sua situação geográfica, mas pela distância em tempo, de acordo com a possibilidade dos meios de transporte disponíveis. Ou seja, o que em primeira instância nos aparece como um mapa geográfico, ao clicarmos numa cidade, aparece-nos um mapa não-geográfico. Mais em http://www.number27.org/projects/maps/traveltime/index.html.

nokia maps

No Ovi Nokia existem variadas funcionaliades, nomeadamente o Nokia Maps. Após o download de mapas, adapta-se a percursos feitos a conduzir e a percursos pedestres e permite consultar guias das cidades com conteúdos multimédia. Mais em http://www.nokia.pt/mapas. Visitem o site só dedicado ao Nokia Maps – http://europe.nokia.com/navigation.

conceito geoweb

Ao contrário do telefone ou das cartas, a Internet cria-nos o interesse por conhecer mais e melhor e, apesar de muitas vezes substituir a mobilidade, estimula-nos a viajar cada vez mais. Exemplo disso, são os sistemas actualmente existentes como o Nokia Maps, Plazes, Microsoft Virtual Earth, Live Search Maps, Google Maps, NASA World Wind que revelam o conceito GeoWeb baseado em quarto funções*:

orientar – para chegar a qualquer lugar e em qualquer momento

descobrir – localizar lugares

registar – gravar experiências em lugares

partilhar – aproximar as pessoas através da partilha de experiências em vídeos, imagens ou comentários.

 

No mundo GeoWeb, os dados são organizados num espaço e tempo em modelos a partir de captações do mundo real, onde o objectivo é articular informações geográficas com informações abstractas segundo uma organização personalizável. Os utilizadores integram e partilham informações geoespaciais através da Internet, o que convida à interacção entre as pessoas e, simultaneamente, à experiência de novos lugares.

 

geoweb31 

 

Para a construção deste mundo Geoweb, são necessários intervenientes*:

 

geoweb4 

Identificação da localização – por GPS (só no exterior), A-GPS, Wifi ou telemóvel.

Mapeamento: fornece o contexto, permite definir rotas e navegar.

Objectos sociais: através destes acontecem as conexões sociais, a socialização.

Lugares: tendem a ser unificados, podem ser abertos ou fechados.

Actividades sociais: situam-se na intersecção do tempo e espaço.

 

*Baseado na Conferência “Context is king – Ingredients for the Geoweb”, por Félix Petersen, no Shift 08, em Lisboa.