Posts Tagged 'informação'

desmaterialização na ‘era da informação’

“We live in an age of alsos, adapting to alternatives. Because we have greater access to information, many of us have become more involved in researching, and making our own decisions, rather than relying on experts. The opportunity is that there is so much information the catastrophe is that 99% of it isn’t meaningful or understandable. We need to rethink how we present information because the information appetites of people are much more refined. Success in our connected world requires that we isolate the specific information we need and get it to those we work with.” (R. Wurman, in “Information Anxiety 2”)

Continue reading ‘desmaterialização na ‘era da informação’’

a metrópole da ‘idade da informação’

A Metrópole da Idade da Informação deixou de viver no capital da tecnologia; é antes a terra dos humanos que se interligam habilmente com o negócio (Branzi 1992).

 

Só há uma época na história do planeta em que cada indivíduo e cada coisa se conectam, e nós vivemos nela. Esta enorme inter conexão permite-nos trocar ideias, informação, intermediações, e dinheiro em todo o sítio, em qualquer altura e com qualquer pessoa, é a nossa terra prometida.(Kevin Kelly, in “Weak and Diffuse Modernity”)

estrutura da dissertação

paineis-20-nov-melhoria1

Após alguma pesquisa realizada, esbocei uma estrutura para a minha dissertação no mês de novembro. O objectivo foi clarificar e delimitar os campos a abordar, para conseguir uma melhor orientação do estudo. Contudo, esta pode ainda sofrer ajustes ao longo do percurso da dissertação.

visualizar’08: database city

Infelizmente já passou:(

Foram dias de conferências e apresentações, entre 3 e 18 de novembro, que culminaram no desenvolvimento de novos protótipos de visualização de dados aplicados à cidade.

«Después de explorar en su primera edición en noviembre de 2007 las posibilidades sociales, culturales y políticas del arte y la ciencia de la visualización de información, la edición 2008 de VISUALIZAR  está dedicada monográficamente a la ciudad. Los entornos urbanos, cada vez más densos, complejos, y diversos, son una de las grandes “bases de datos” de la sociedad contemporánea, generando volúmenes de información diaria que requieren de nuevos métodos de análisis y comprensión.

¿Cómo podemos usar los recursos de la visualización de datos y el diseño de la información para comprender los procesos que gobiernan las ciudades contemporáneas y gestionarlas mejor? ¿Qué podemos aprender estudiando los flujos de movimiento de peatones  y tráfico en las calles de Madrid? ¿Qué sucedería si llenamos las calles de pantallas que aportan información actualizada al segundo sobre el consumo de agua y electricidad?»

Mais em http://medialab-prado.es.

conceito geoweb

Ao contrário do telefone ou das cartas, a Internet cria-nos o interesse por conhecer mais e melhor e, apesar de muitas vezes substituir a mobilidade, estimula-nos a viajar cada vez mais. Exemplo disso, são os sistemas actualmente existentes como o Nokia Maps, Plazes, Microsoft Virtual Earth, Live Search Maps, Google Maps, NASA World Wind que revelam o conceito GeoWeb baseado em quarto funções*:

orientar – para chegar a qualquer lugar e em qualquer momento

descobrir – localizar lugares

registar – gravar experiências em lugares

partilhar – aproximar as pessoas através da partilha de experiências em vídeos, imagens ou comentários.

 

No mundo GeoWeb, os dados são organizados num espaço e tempo em modelos a partir de captações do mundo real, onde o objectivo é articular informações geográficas com informações abstractas segundo uma organização personalizável. Os utilizadores integram e partilham informações geoespaciais através da Internet, o que convida à interacção entre as pessoas e, simultaneamente, à experiência de novos lugares.

 

geoweb31 

 

Para a construção deste mundo Geoweb, são necessários intervenientes*:

 

geoweb4 

Identificação da localização – por GPS (só no exterior), A-GPS, Wifi ou telemóvel.

Mapeamento: fornece o contexto, permite definir rotas e navegar.

Objectos sociais: através destes acontecem as conexões sociais, a socialização.

Lugares: tendem a ser unificados, podem ser abertos ou fechados.

Actividades sociais: situam-se na intersecção do tempo e espaço.

 

*Baseado na Conferência “Context is king – Ingredients for the Geoweb”, por Félix Petersen, no Shift 08, em Lisboa.

 

visualcomplexity.com

visualcomplexity1

Visualcomplexity.com apresenta uma vasta colecção de diferentes métodos de visualização de dados de informação, em áreas disciplinares abrangentes (Biologia, Arte, Redes Sociais, Política, Transportes, etc.). Descobri este site no início deste ano e, surpreendentemente, no dia 17 de Outubro, tive a oportunidade de assistir à conferência do autor, no Shift 08, em Lisboa – “VisualComplexity: A visual exploration on mapping complex networks”. Aqui fica um esquema sobre a compreensão da informação que Manuel Lima apresentou na conferência. Mais em http://www.slideshare.net/manulima/visualcomplexity-offf-2008.

visualcomplexity22

design de informação

«Os pressupostos e objectivos do desenho de informação começam desde loo pela ergonomia cognitiva (conhecer os limites orgânicos para comunicar melhor) ligando o indivíduo ao meio, mas encontram na literacia visual as condições para uma democracia mais participada através de uma informação mais eficiente (a forma é conteúdo cultural); mas, para além da ordem colectiva, cada ser é convocado a representar o seu próprio mapa de interacção com o mundo.» (Costa, pp. 71)